sábado, outubro 30, 2004

domingo, outubro 24, 2004

Como seria se tudo fosse verdade?

Mentir
Mentir, mentir somente pra esconder
A mágoa que ninguém deve saber
Mentir, mentir, em vez de demonstrar
A nossa dor num gesto ou no olhar

Saber mentir
É prova de nobreza
Prá não ferir alguém
Com a franqueza
Mentira não é crime
É bem sublime
O que se diz
Mentindo prá fazer alguém feliz

É com a mentira que a gente
Se sente mais contente
Por não pensar na verdade
O próprio mundo nos mente
E ensina a mentir
Chorando ou rindo sem ter vontade

E se não fosse a mentira
Ninguém mais viveria
Por não poder ser feliz
E os homens
Contra as mulheres na terra
Então viveriam em guerra
Pois no campo do amor
A mulher que não mente não tem valor
(Noel Rosa)

sexta-feira, outubro 22, 2004

Falando de amor mais uma vez mais uma voz

Mais uma vez mais uma voz

Falando de amor mais uma vez mais uma voz
Esqueço aquilo tudo que sabia tão de cor
Eu não sei de nada certas horas sei de tudo
Quando as pessoas se falam as palavras são escudos
Quando as pessoas se calam nascem flores ou muros

Mas quando a gente se olha
Mesmo por um segundo
É a coisa mais doce que acontece no mundo
É o amor mais tranquilo a lucidez da loucura
Que nos separa um do outro em permanente tortura

Chegou cedo demais pras nossas desilusões
Chegou perto demais dos nossos corações
É tão forte e sereno tão sem razão sem maldade
De tanto a gente esperar parece que chegou tarde
De tanto a gente evitar parece que ficou forte
De tanto a gente esconder parece que nunca morre
(Joyce / Ana Terra)

sábado, outubro 16, 2004

So falta voce me ligar...

Pela janela vejo fumaça, vejo pessoas
Na rua os carros, no céu o sol e a chuva
O telefone tocou na mente fantasia

Você me ligou naquela tarde vazia
E me valeu o dia
Você me ligou naquela tarde vazia
Na mente fantasia

Podia ter muitas garotas mas você é diferente
Vocé me ligou naquela tarde vazia
E me valeu o dia
(Ira!)

quarta-feira, outubro 13, 2004

Como doi sentir saudade...

Não vejo mais você faz tanto tempo,
Que vontade que eu sinto
De olhar em seus olhos,
Ganhar seus abraços.
É verdade, eu não minto.

E nesse desespero em que me vejo,
Já cheguei a tal ponto
De me trocar diversas vezes por você
Só pra ver se te encontro.

Você bem que podia perdoar
E só mais uma vez me aceitar,
Prometo, agora vou fazer por onde
Nunca mais perdê-la.

Agora, que faço eu da vida sem você?
Você não me ensinou a te esquecer,
Você só me ensinou a te querer
E te querendo eu vou tentando te encontrar.

Vou me perdendo,
Buscando em outros braços seus abraços,
Perdido no vazio de outros passos
Do abismo em que você se retirou
E me atirou e me deixou aqui sozinho.

Agora, que faço eu da vida sem você?
Você não me ensinou a te esquecer,
Você só me ensinou a te querer
e te querendo eu vou tentando me encontrar.
(Fernando Mendes)

Eu queria me apaixonar...

- Editado -

sábado, outubro 02, 2004

A Outra

Nem só o que aparento eu gosto
Nem tudo que represento eu mostro
Existe a outra
Existe a outra
A que não se pinta
A que nunca brinca
A que obedece
A que envelhece
Pra que eu viva e cante todos os momentos
Pra que eu possa sempre enganar o tempo
Pra que eu possa sempre enganar…

Nem só o que aparento eu gosto
Nem tudo que represento eu mostro
Existe a outra
Existe a outra
A que gera os filhos
A que chora os rios
Que costura e borda
Faz comida, engorda
Pra que eu te afague com essas mãos macias
Pra que eu te entregue meus melhores dias
Existe a outra
Existe a outra
A que se dedica
Que se sacrifica
Pra que eu exista
Pra que eu seja artista
Pra que eu conheça todas as delícias
Pra que eu mereça todas as carícias
Existe a outra Existe a outra
(Ivan Lins / Vitor Martins)

- Editado -