quarta-feira, janeiro 30, 2008

Romance


Todas as bobagens que eu já disse
Dariam pra encher um caminhão
Mesmo assim encontro no caminho
Milhares mais otários do que eu
Por isso meu amor
Não leve tão a sério
Nem o que eu digo
Nem o que eu deixo de esconder
Não vai ter graça o dia
Em que eu bater a porta
E você não abrir pra responder

Todas as pessoas que eu conheço
Cabem bem juntinhas na palma da mão
Pra você guardei um universo
Quando falta espaço, eu faço um verso
E durmo na canção
Por isso meu amor
Não pense que é brinquedo
Eu tenho medo e morro de paixão
Não vai ter graça o dia
Em que eu abrir a porta
E a tua mão vazia disser não

Todas as bobagens que eu já disse
Dariam pra encher um caminhão
Pra você guardei um universo
Quando falta um verso, peço teu perdão
Por isso meu amor
Não leve tão a sério
Se eu morro de medo, brinco de paixão
Não vai ter graça o dia
Em que eu te vir na porta
E não souber se entro ou faço uma canção
(
Nei Lisboa)

2 comentários:

Seiti disse...

Aeeeeeeeeeeeeeeeee
Fê cara de Patê q texto lindo \o/
curti, curti d+
vo até salva aqui pra não perde! hahahaha
bahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
eu fiko sem palavras hahahaha
*-*
Beijo, adoro-te!!!!

Anônimo disse...

Um romance é como um arco de violino, a caixa que produz os sons é a alma do leitor. - Stendhal -

Neste contexto daria pra te comparar com Anne-Sophie Mutter... ehehhehe!

Beijos virtuosa Fer...