quinta-feira, março 27, 2008

Eu apenas queria que voce soubesse


Eu apenas queria que você soubesse
Que aquela alegria ainda está comigo

E que a minha ternura não ficou na estrada

Não ficou no tempo presa na poeira


Eu apenas queria que você soubesse

Que esta menina hoje é uma mulher

E que esta mulher é uma menina

Que colheu seu fruto flor do seu carinho


Eu apenas queria dizer a todo mundo que me gosta

Que hoje eu me gosto muito mais

Porque me entendo muito mais também


E que a atitude de recomeçar é todo dia toda hora

É se respeitar na sua força e fé

E se olhar bem fundo até o dedão do pé


Eu apenas queira que você soubesse

Que essa criança brinca nesta roda

E não teme o corte de novas feridas

Pois tem a saúde que aprendeu com a vida

(Gonzaguinha)


sexta-feira, março 21, 2008


"Vai passar, tu sabes que vai passar.
Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana,
um mês ou dois, quem sabe?
O verão está aí, haverá sol quase todos os dias,
e sempre resta essa coisa chamada 'impulso vital'.
Pois esse impulso ás vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo,
te empurrará quem sabe para o sol, para o mar,
para uma nova estrada qualquer e, de repente,
no meio de uma frase ou de um movimento te surpreenderás pensando algo assim como
'estou contente outra vez' "

Caio F.

Caixinha de música


Silenciosa, platônica e distante, sufoquei-a dentro de mim,
e das entranhas ao céu da boca você me sufocou.
Como a cobra mordendo o rabo que tatuei no lado esquerdo do meu peito.

Meu coração sujo parece uma caixinha de música,
daquelas antigas com a bailarina rodopiando no meio e uma música triste saindo de dentro dela.

Queria sonhar o mesmo sonho, com o remorso derramado,
feito Pandora, vi seu rosto se afastando, seu sorriso débil a meio fio, seu sorriso de véspera.

(Todas as palavras que deixei de te dizer têm cheiro de chuva agora)

Caminhamos de mãos dadas na alameda sob o crepúsculo, na bruma delicada do esquecimento.

Veronika B. Kozlowski.

segunda-feira, março 10, 2008

Como Um Vencedor


Acordou, quem estava dormindo
Acordou descansado e sorrindo
Acordou para a vida aqui fora
Acordou porque já era a hora

Acordou pro tratado divino
Acordou nesse sonho o menino
Acordou como quem pede bis
Acordou pra tentar ser feliz

Visitou seus antigos valores
Despediu-se de amigos e amores
Empunhou-se das tais novas armas
E apontou para os seus velhos carmas

Flutuou sobre sua coragem
Desligou-se da antiga imagem
Revelou-se alguém a procura
Preparou-se pra etapa mais dura

E ai juntou
Todo amor que tem
Com a força de quem vem
Inaugurar a fé

E assim lutou
Afim de conquistar
O seu lugar ao sol
Como o bom vencedor
Que é.
(Linox)

terça-feira, março 04, 2008

Escreve-me


Escreve-me! Ainda que seja só
uma palavra, uma palavra apenas,
suave como o teu nome e casta
como um perfume casto d'açucenas!

Escreve-me! Há tanto, há tanto tempo
eu te não vejo, amor! Meu coração
morreu já, e no mundo aos pobres mortos
ninguém nega uma frase d'oração!

"Amo-te!" cinco letras pequeninas,
folhas leves e tenras de boninas,
um poema d'amor e felicidade!

Não queres mandar-me esta palavra apenas?
Olha, manda então...brandas...serenas...
Cinco pétalas roxas de saudade...

(Florbela Espanca)