sexta-feira, junho 27, 2008


"Eu não sou simples.
A simplicidade é minimalista
O que simplifica diminui
Eu não."
Fernanda Souza
20-06-08

domingo, junho 22, 2008


Olhamos o mundo como se fosse movendo-se para o exterior,
na direção do infinito.
Vocês, povos do Ocidente, olham o mundo
como se fosse movendo-se para vocês.
Por isto temos a sensação de ser livres
enquanto vocês têm a sensação de ser esmagados


Arte


Deixar a dor para quem abre as feridas.
Fornecer apenas o sal.
Cada um lança-o depois onde quiser:
na boca ou nas chagas.
O sabor ou o ardor.

Extraído de: Epiderme

sábado, junho 21, 2008


Não te quero métrica.
Te gosto assim:
A torto e a direito
De qualquer jeito
De toda forma
Pra todo lado.
Fernanda Souza

sexta-feira, junho 20, 2008

A caixa


Dia desses abri aquela caixa com fotos velhas
e foi como se fosse ontem.
Como se você pudesse chegar a qualquer momento.
Como se eu pudesse te tocar de novo.
Aquele vazio se preencheu de repente,
e eu senti meu peito se aquecer por um instante.

Mas eu não sou mais aquela menina
e nem voce é o mesmo.
Somos pessoas diferentes.
Pensamos diferente, sentimos diferente.
E os nossos sonhos, ainda que vivos,
estão soterrados em uma montanha de acasos que nos afastaram.

A vida é feita de possibilidades.
Para tudo há milhões de opções.
Pena que não podemos mudar nossas escolhas.
Fernanda Souza
19-06-08

quinta-feira, junho 19, 2008

A minha metade


Sabe...
Apesar de termos um passado lindo e feliz,
muito do que nos acompanha vem com arestas..
E essas arestas são pontiagudas, e vão nos cutucar eternamente.
Seria algo muito trabalhoso reconstruir sem trazer à tona estas arestas.
Sem que numa discussão, ou sei lá o que, ressurjam das cinzas aqueles velhos fantasmas,
e eu morro de medo de fantasmas.

É como um jardim repleto de rosas, mas ao tocá-las, você pode se ferir num espinho escondido.
E se você deixar que elas murchem, so restarão os espinhos.
É preciso muita dedicação, muito cuidado para evitar que esses espinhos causem dor novamente.
Até por que, foi por eles que decidimos fechar as portas desse jardim,
e cada um ficou com a sua chave,
com a sua metade,
ainda que incompleta.
Fernanda Souza
19-06-08

Brilha onde estiver...


Não há de ser nada, pois sei que a madrugada acaba,
quando a lua se põe

O abraço de vampiro é o sorriso de um amigo e mais nada
Não há de ser nada, pois sei que a madrugada acaba,
quando a lua se põe

A estrela que eu escolhi não cumpriu com o que eu pedi
e hoje não a encontrei
Pois caiu no mar, e se apagou

Se souber nadar, faça-me o favor

O milagre que esperei nunca me aconteceu
Quem sabe é só você

Pra trazer o que já é meu

Brilha onde estiver
Faz da lágrima o sangue que nos deixa de pé


O Teatro Mágico

segunda-feira, junho 16, 2008

Cuida de mim


"Cuida de mim enquanto não esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo que sou quem eu queria ser.
Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo, enquanto fujo."

O Teatro Mágico

domingo, junho 15, 2008

Beijo Curto


.
.Beijaria o chão que ela pisasse,
.mas ela lhe pisava o coração
.e lá seu beijo não alcançava.
.




Extraído de: Minimínimos

quarta-feira, junho 04, 2008

De tudo que fomos,
sonhamos,
e vivemos.
Hoje me restam
lembranças,
um não,
e uma lágrima.

(Fernanda Souza)
04-06-08

segunda-feira, junho 02, 2008


Agora que estou livre.
Em teoria, livre.
Pra quem me ve livre
não sabe o que me faz falta
não sabe o que me sufoca
não sabe que a liberdade
essa que a gente sonha
essa que a gente espera
essa que a gente pensa
que é tudo que falta
amarra a gente pelos pés.

Por que enquanto não for passarinho
ninguém nesse mundo voa sozinho.


Fernanda Souza
01/06/08