terça-feira, julho 01, 2008

Queria que o mundo fosse só poesia
que o saber não fosse tão caro
que querer não fosse pecado
que o poder não fosse uma arma
que o amor não fosse utopia
que a dor não fosse diária
que a vida não fosse tragédia
que eleição não fosse comédia
que pobreza não fosse doença
que criança não fosse trabalho
que o sonho não fosse privado
que o mês fosse igual ao salário
que o beijo fosse igual a novela
que avião chegasse no horário
que saudade fosse coisa inventada
que o riso não saísse do rosto
que medo fosse só do escuro
que o povo já não fosse mudo
que sofrimento não fosse calado
que pecado fosse não ser feliz
que pecado fosse não amar
que pecado fosse não sonhar
que pecado fosse não viver.

E todos seriam libertos
de todo e qualquer pecado.
Fernanda Souza
01-07-08

2 comentários:

Anônimo disse...

Amém!!!

Yuri disse...

Bravo!
Você evolui mais a cada dia!

Muito bonito o poema!

beijo,minha querida!